ARTIGO ESPECIAL: Resumo Histórico e Geográfico de Lavras do Sul

Introdução

Localizado na Região da Campanha do Rio Grande do Sul, a 320 km de Porto Alegre (Capital do Estado), Lavras do Sul é um município com origem na formação das Missões Jesuíticas e tratados de Fronteiras do século XVIII e, também, na mineração do ouro.

Sua população estimada, em 2020, é de 7.444 pessoas (no Censo 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Economia e Estatística, a população é de 7.679 pessoas). A densidade demográfica, em 2010, 2,95 hab/km².

As Coordenadas Geográficas da Sede Municipal de Lavras do Sul são: latitude 30°48’41”S (sul) e longitude 53°54’02”W (oeste). Os municípios vizinhos, que formam mais de 400 km de limites, são: Vila Nova do Sul, Santa Margarida do Sul e São Sepé (norte), São Gabriel (norte e noroeste), Dom Pedrito (oeste, sul e sudoeste), Bagé (sudeste) e Caçapava do Sul (leste e nordeste).

O natural ou habitante do município se diz como lavrense.

História

Lavras do Sul originou-se de um acampamento mineiro instalado às margens do Arroio Camaquã das Lavras, para exploração de pepitas de ouro depositadas em seu leito. Por conta da descoberta e busca de ouro, a região atraiu colonizadores das mais diversas etnias e regiões.

A questão dos tratados de formação territorial do Rio Grande do Sul também foi muito importante para a formação de Lavras do Sul, cujas linhas unem-se dentro do município, formando um vértice histórico.

Após o início do século XIX, formou-se um núcleo populacional, que desmembrou de Rio Grande e Rio Pardo e, no dia 9 de maio de 1882, foi emancipado de Caçapava do Sul. Depois, tornou-se cidade em 1938.

A colonização do município, segundo diversas fontes históricas, teria começado em 1825 (há quem discorde, por conta da expansão das Missões, no século XVIII, em que haveria fortes indícios de núcleos populacionais no atual território lavrense).

Descrição geográfica

Localizado no Escudo Sul-Rio-grandense, situa-se a uma altitude média de 277 metros acima do nível do mar (mais de 460 metros em algumas áreas da zona rural). No leste do território lavrense, de 2.601 km², as terras são mais elevadas e com uma vegetação um pouco mais densa; já a oeste, o relevo é mais plano com campos limpos. A Serra do Ibaré é o divisor de águas entre os dois Distritos Lavrenses (Sede e Ibaré).

Lavras do Sul tem diversos acidentes geográficos, entre eles: morros, formações rochosas, rios, arroios, sangas, pequenas serras, coxilhas, lagoas, praia fluviais e outros.

A vegetação é típica do Bioma Pampa, grande parte dela composta por campos e capões de mato.

A Hidrografia (rios e cursos d’agua) tem como destaques o Arroio Camaquã das Lavras (que cruza a Sede Municipal de Lavras do Sul e é um dos formadores do Rio Camaquã, que deságua na Laguna dos Patos), o Arroio Jaguari (Segundo Distrito, que  passa pelo Ibaré) e o Rio Santa Maria (que forma divisa natural com Dom Pedrito.

O clima é subtropical úmido, estações do ano bem definidas, com verões e invernos rigorosos, além de ocorrências de estiagens e geadas. A média anual de temperaturas em Lavras do Sul é de 18°C (24°C no verão e de 6°C a 12°C no inverno). As chuvas, embora aconteçam períodos de estiagem, como em 2012, 2020 e 2021, são bem distribuídas, com a média de 1.500 mm anuais.

O solo de Lavras é provido em abundância, composto de formação granítica e elementos ásperos, que lhe dão aspectos de rocha dura, multicolor, evidenciando o branco semelhante ao mármore (LEITE, 2005). Há uma grande ocorrência de rochas vindas de antigas atividades do vulcanismo (denominadas de magmáticas ou ígneas), de formações e misturas (sedimentares) e de transformações entre diversos tipos de minerais (metamórficas). Parte do território de Lavras do Sul está dentro das Serras do Sudeste, um baixo planalto que foi bastante erodido há milhares de anos (origem pré-cambriana, ou seja, da formação inicial do relevo da Terra).

Sobre a fauna, estão registrados, no mínimo, mais de 200 espécies de aves e pássaros no território de Lavras do Sul. Há a ocorrência, também, de preás, gambás, capivaras, caturritas, cobras, lagartos, sapos e outros animais.

Grande parte da população tem animais domésticos. Nas fazendas e estâncias, encontramos os animais típicos, como os gados bovinos, equinos e ovinos, além de cabras, galináceos, suínos e outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *