Pular para o conteúdo

A Secretaria do Tesouro Nacional (STN) publicou o Ranking da Qualidade da Informação Contábil e Fiscal, com base nos dados de 2019. Dentre os 497 municípios gaúchos, Hulha Negra pontuou como o 14° município do Estado mais bem avaliado no ranking de qualidade da informação contábil e fiscal. Já em nível nacional, Hulha Negra conquistou o 21º lugar na lista de 5570 municípios.
O ranking da qualidade da informação contábil e fiscal é uma iniciativa da Secretaria do Tesouro Nacional que foi criada para avaliar a consistência da informação que o Tesouro recebe por meio do Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro – Siconfi – e, consequentemente, disponibiliza para acesso público. A intenção é fomentar a melhoria da qualidade da informação contábil e fiscal que é utilizada tanto pelo Tesouro Nacional quanto pelos diversos usuários dessa informação.
A primeira edição desse estudo foi publicada em 2019 e tomava como base os dados de 2018, considerando apenas informações estaduais. Neste ano, o estudo também avaliou os municípios.
Para o prefeito Renato Machado, o desempenho de Hulha Negra nessa avaliação demonstra a importância dada pela gestão municipal à responsabilidade fiscal e à transparência, o que possibilita um acompanhamento da saúde financeira municipal por parte da população. “A classificação de Hulha Negra no Ranking comprova a evolução da gestão fiscal responsável do município, bem como a melhoria contínua de transparência das informações e visão integrada das gestões orçamentária, financeira e contábil. Uma gestão para alcançar esse nível de resultado conta necessariamente com uma equipe capacitada e comprometida”, ressaltou Machado.

Fonte: Assessoria de Imprensa
Data de publicação: 02/12/2020
Créditos: Ascom Hulha Negra - Joanes Araujo

FONTE DA IMAGEM: Blog Caminhos do Pampa.

Na tarde deste sábado (21/11), no Estádio Pedra Moura, em Bagé, ocorreu goleada histórica do G.E. Bagé por 13 a 0 sobre a equipe do Riopardense. O jogo foi válido pela terceira rodada da Copa Ibsen Pinheiro.

Os gols foram marcados por Zulu (3), Wallan (2), Luiz Eduardo (2) Samuel (2), Andrei (1), Vini (1), Bruno Vidal (1) e Vandinho (1).

Esta é a maior goleada da história do clube, que completou 100 anos em 2020.

Foto: Divulgação / Página do Grêmio Esportivo Bagé no Facebook

Localização de Lavras do Sul. FONTE: Raphael Lorenzeto de Abreu (Wikipédia)

 

Professor do Colégio Anchieta, em Porto Alegre, botânico e professor de Ciências Naturais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), além de padre jesuíta e formado em Filosofia, o Padre Balduíno Rambo, nascido em 1905, em Tupandi (município localizado a cerca de 100 km de Porto Alegre, na região de Montenegro), e falecido na Capital gaúcha, em 1961, deixou um dos maiores legados para a literatura geográfica do nosso Estado: A Fisionomia do Rio Grande do Sul.

A obra retrata como eram as paisagens de todas as regiões gaúchas por volta dos anos 1950, em detalhes jamais inigualados, com informações sobre geologia, flora, fauna e hidrografia, entre outros aspectos.

Vamos conhecer agora algumas das passagens do livro A Fisionomia do Rio Grande do Sul onde o Padre Balduíno Rambo cita e descreve Lavras do Sul. Para esta seção especial, utilizou-se a edição de 2000 do livro, publicada pela editora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, na Grande Porto Alegre.

1. Sobre a Geografia da Serra do Sudeste:
Politicamente, a Serra do Sudeste encerra totalmente os municípios ribeirinhos das grandes lagoas (...); parcialmente, os municípios de Bajé, Dom Pedrito, Lavras, São Gabriel, São Sepé, Cachoeira do Sul, Rio Pardo, São Jerônimo, Guaíba e Viamão. A área desta região é de cerca de 44.000 km², ou seja, 15% da superfície total do Estado. - páginas 57-58

2. Sobre a altitude de Lavras:
As principais cotas altimétricas são: (...) 223 em Lavras, (...) - página 58

3. Sobre ocorrências minerais associadas ao granito:
A galena, sulfeto de chumbo e principal minério deste metal, acha-se em toda a zona compreendida entre a linha Encruzilhada-Caçapava e o Camaquã, sendo também abundante no município de Lavras. O ouro, encontrado principalmente nas proximidades de Lavras, está ligado ao quartzo. - página 63

4. Sobre as características da hidrografia (as quais o autor utiliza o termo potamografia - descrição dos rios), vegetação e rochas:
Ao oeste de Lavras, onde - ponto memorável para a potamografia rio-grandense - se tocam as fontes do Camaquã, do Vacacaí e da Bacia do Ibicuí, os sedimentos algonquianos dominam o aspecto da paisagem. Numa grande mancha bordejando o granito, constituem as serras do Tabuleiro, do Acampamento e, mais para o norte, o complexo mais avançado do Sudeste, a Serra do Batovi. (...) Nas baixadas dos cursos de água, semelhantes às gargantas da região arenítica, desenvolve-se uma vegetação palustre e silvática de grande vigor, notadamente de figueiras, salgueiros, taquaruçu e gerivás; nos paredões, em ilhotes de gramas e arbustos rasteiros, predominam os matizes cinzentos e amarelados dos líquenes; no topo, entre milhares de lajes revoltas e cristas tostadas pelo sol, crescem tunas espinhosas, arbustos xerófilos, que, na impossibilidade de se constituírem em sociedades fechadas, mal-amortalham a nudez da rocha.. - página 91

5. Sobre a Geografia da Região da Campanha do Sudoeste:
1 - Politicamente, abrange os municípios de Livramento, Uruguaiana, (...), bem como parte de Bagé, Dom Pedrito, Lavras, Santa Maria, (...). (...) uma superfície de 50.000 km², o que vem a cerca de 18% da área total do Estado. - página 104

GLOSSÁRIO

Vamos conhecer alguns dos termos apresentados nesta seção.

  • ALGONQUIANO: relativo à região onde se localiza uma civilização indígena da América do Norte.
  • AMORTALHAR: cobrir algo morto ou estaganado.
  • BORDEJANDO: cobrindo por meio de bordas, cercando, delimitando.
  • BOTÂNICO: profissional que estuda e trabalha com plantas.
  • GARGANTA: desfiladeiro, abertura estreita.
  • LAJE: rocha de superfície plana.
  • LÍQUENES: transformações entre algas e cogumelos, que ocorrem em troncos de árvores, rochedos etc.
  • MATIZ: conjunto de combinações diversas de cores.
  • MEMORÁVEL: notável, fundamental, essencial, consagrado.
  • PALUSTRE: típico de lagos, banhados, pântanos, lagoas, beiras de rios.
  • POTAMOGRAFIA: descrição dos aspectos dos rios.
  • RIBEIRINHOS: próximos e/ou juntos a rios ou cursos d'água.
  • SILVÁTICO: silvestre, selvagem, não afetado.
  • SULFETO: combinação de enxofre com outros elementos.
  • TUNA: aglomeração de grama e/ou pequenas plantas ou arbustos.
  • XERÓFILOS: arbustos ou plantas típicas de climas secos, como o cactus.

Caso tenha interesse na obra completa, adquira aqui.